Os produtos são livres de sequestrantes químicos?

Sim. A função é melhorar o poder de limpeza em águas duras (que têm maior concentração de íons de cálcio e magnésio, o que dificulta a ação de sabões e detergentes). Um dos agentes sequestrantes químicos mais usados é o Tripolifosfato de Sódio. Porém, sabe-se que o uso desses agentes causa poluição de lagos e rios, pois eles são nutrientes para as algas e, quando vão parar num lago, favorecem a proliferação exacerbada delas. Esse crescimento exacerbado de algas interfere no equilíbrio natural e diminui o oxigênio dissolvido na água, acarretando problemas na vida aquática. Em virtude disso, aumenta-se a pressão para retirada dessa substância e a troca por outra menos impactante ao meio ambiente. Muitas indústrias já estão diminuindo e retirando esse componente de sua fórmula. Uma dúvida muito frequente sobre a confecção de sabão é sobre o uso da soda cáustica (NaOH). Sabe-se que ela é uma base forte (pH 14), podendo causar irritações na pele quando está no seu estado puro. Porém, quando ela é empregada na fabricação de sabão ocorre uma reação química de saponificação. A Soda Cáustica reage com os óleos no processo e resulta em sabão e glicerina. Desta forma, quando o sabão passa por um processo de cura, toda Soda Cáustica presente reage com os óleos, e não fica livre no produto. Um dos aspectos mais relevantes para a venda dos produtos são as fragrâncias e os corantes. Esses componentes são importantes para a aceitação do produto pelo público, mas nem todas as pessoas têm uma sensação agradável pelo uso dessas substâncias. Elas podem causar alergias respiratórias, de contato, irritações e ressecamento da pele (saiba mais sobre os riscos aqui e aqui). No meio ambiente, essas substâncias podem aumentar a demanda bioquímica de oxigênio, requerendo um tratamento prévio antes de serem lançadas nos corpos hídricos. Dê sempre preferência a fragrâncias e corantes naturais, pois eles têm menos riscos de causarem alergias e causam menos impacto ao meio ambiente.